Archive for junho, 2008

Solstício de Inverno em lugares de poder no Perú – Dia 21 de Junho em Ollantaytambo

] 

 

Ainda no dia 20 de Junho saímos de Cuzco com parte de nossas malas e “trouxas” para outra cidade vizinha: Ollantaytambo. Gracinha!!! Cidade gostosa no meio das montanhas, ótimos restaurantes, uma feira de artesanato super rica, e um lugar super energético. Talvez por tudo isso tenha sido a cidade escolhida por Mestre Francisco para viver. E também por tudo isso, é que em tom de brincadeira, o grupo se propôs a unir e cada um dar uma graninha para comprar uma casinha por lá…  (-:  Desejos, sonhos… Um bom começo! (-:

 

Bem… ainda no dia 20 , à tardizinha, quase escurendo, nós participamos de outro ritual com o mestre Francisco. (talvez eu relate isso aqui depois – não vou seguir ordem cronológica, vou seguir ordem de inspiração…)

À noite uma aula no salão do Hostal Sauce. Gente esparramada por todo o salão, alguns deitados no chão, perto da lareira, outros nos sofás… Tudo para assistir uma aula ministrada por mestre Francisco. Ótima, um show de cultura andina. No entanto, o cansaço de quem tinha acordado às 3:30 da madrugada e de um dia cheio de programações, fez com que apenas um pequeno grupo de 8 pessoas ( até harmonicamente dividido em 4 homens e 4 mulheres) permanecessem assistindo a aula. Consegui bravamente ir até  ofinal (-:(-: Aliás, nem tão bravamente assim, porque o conteúdo era interessante e apesar de ser um mestre xamã dos Andes, o mestre Francisco está inserido na tecnologia . (-:(-: Para ministrar a aula, ele conta com um rico Dvd (criado por ele), projetado no notebook. Coisas da modernidade!!! (-:(-: Assim também como o uso do celular; o que nos fazia rir muito quando ele atendia telefonemas (até de outro país). Mas como ele mesmo diz: “É um mal necessário!” rsrs  

Bom… então Ollantaytambo nos recebeu muito bem para muitas experiências. (acima estão imagens do local)

Uma das experiências começou novamente na madrugada, só que agora no dia 21 de Junho. 5:30 da madrugada e já estávamos todos tomando café para fazermos uma subidinha básica de “alguns” degraus de pedra na montanha. (há uma foto acima de onde subimos). Essa foi a escalada que mais senti. Não sei se pela altitude, ou se foi pela pressa, ou se foi por ser muito cedo. Só sei que mesmo mascando a folha de coca, as paradas na subida foram necessárias para mim, algo que nem o toque ritmado do tambor de Analú conseguiu minimizar.

Lá em cima, uma união de várias tribos. Gente de vários locais do mundo. Todos esperando pelos primeiros raios do sol entre as montanhas.

De um lado a lua cheia ainda estava no céu…

Nesse ponto de concentração, entre ruínas de pedras, todos iam chegando e novamente recebendo três folhas de coca para que fossem ofertadas com intenções. No chão, em cima de uma grande pedra, algo como um altar já estava montado. Um delicioso aroma de palos santos que se queimavam formava uma atmosfera envolvente.

Antes dos primeiros raios de sol surgirem, o Ka e o filho de Mestre Francisco começaram a tocar respectivamente charango e flauta. Que maravilha!!! Um som maravilhoso que ia enebriando todos que ali estavam de forma respeitosa e meditativa aguardando as bençãos do sol.

Os primeiros raios do sol surgiram e cada uma a sua maneira e introspecção foi recebendo sua luz. Uma cena mágica envolta nas fumaças de palo santo e das folhas de coca que foram depositadas pelas pessoas em uma tigela de barro e  neste momento também se queimavam, com os desejos ganhando o ar e se elevando aos céus.

A música continuava … um pouquinho de vinho era servido, e antes de bebê-lo expergíamos com os dedos ao céu e também à terra…

E desta forma fomos abençoados por mais uma comemoração de Solstício de Inverno nos Andes.

Retratei vários destes belos momentos como poderão ver. No entanto, me surpreendi quando já dentro do trem, partindo para Águas Calientes, resolvi ver as fotos tiradas e percebi lindas luzes que surgiram nas fotos, algo como formação de um ser de luz.

(detalhes: luzes surgiram em fotografias de várias pessoas, em vários locais de poder – mas essas para mim foram especiais… Há quem possa dizer que seja reflexo da luz do sol… Deixo as crenças à vontade do que tocar o coração de quem vê-las… )

 Mirian – Achuncaray

 

   

        

 

 

Solstício de Inverno em lugares de poder no Perú – Dia 20 de Junho em Quenco

  

Ando sumida nas postagens deste blog e fiquei muito feliz ao acessar e ver que as visitações ultrapassaram o número de 10.000. Gracias a todos internautas e mantenho meus desejos de que usufruam do melhor …

No entanto, embora ausente daqui,  eu estava bem presente em lugares de poder e de vivências indescritíveis numa viagem espetacular ao Peru.  Algo mágico e inesquecível pra todos nós que fizemos parte de uma viagem maravilhosa organizada pelo historiador Ka Ribas (Amauta Runa) e pelo geobiólogo Allan Lopes Pires (Amaru Runa). Brigadão amigos queridos!!! Bençãos de gratidão sobre vocês por proporcionarem isso para nós. Estendo gratidão também à Dani, e que você seja coberta pelo manto sagrado da divina mãe,  nesse momento tão especial de ser canal para a vinda de mais um ser  de luz para a Terra; um fruto da Ilha do Sol, um local também de poder no lago Titicaca! (-:

Tentarei aos poucos ir relatando as vivências dessa nossa viagem que teve um foco totalmente diferenciado, onde durante 8 dias visitamos inúmeros locais de poder com práticas e exercícios energéticos. Ainda tivemos a grata surpresa e benção de poder contar em vários momentos com a presença do mestre xamã andino :  Francisco Miranda Miranda; que nos passou vários ensinamentos, conduziu vários rituais de purificação, oferendas, e também providenciou nossa iniciação no xamanismo na região de Ollantaytambo, a qual tivemos a honra de ter como mestre iniciático o Ka .  Tivemos ainda o privilégio de receber nossos nomes em quechua no caminhar entre as ruínas de Machu Picchu. 

Grandes presentes que o Universo nos ofertou!  

Minha infinita gratidão à energia e à todos os seres de luz de todas as esferas que lá estiveram conosco, cobrindo-nos com tantas dádivas inimagináveis. Seres esses visualizados em minhas meditações e insights e registrados até mesmo  em fotos.(postarei imagens aqui depois)

Bem… Nesse período de minha ausência por aqui , estive lá em pleno Solstício de Inverno…

Talvez todos já saibam o que é Solstício, mas eu falarei um pouquinho …

Essa data é comemorada há milhares de anos por toda a humanidade, como um importante acontecimento do “nascimento do sol”. Cientificamente falando é quando o sol está numa distância angular máxima ao norte do equador celeste, parecendo parar nas esferas celestes (solstício significa sol parado), para depois retorceder para o sul, em movimento anual aparente. Esta data marca  a noite mais longa, o apogeu da sombra, mas também, ao mesmo tempo o retorno da luz. Um início de novo ciclo, de renascimento, de libertar velhos padrões, de se render à mudanças do corpo e da mente, de avaliar e iniciar novos propósitos vislumbrando o futuro.

O Solstício de Inverno no hemisfério sul ocorre por volta do dia 21 de Junho. Neste ano de 2008 ele ocorreu mais precisamente no dia 20, e nesta data, nosso grupo acordou de madrugada em Cusco, e às 4:30 da madrugada já estávamos no ônibus em direção à Quenco para  vermos o nascer do sol. Chegamos ao local ainda escuro e ficamos aguardando a chegada do Mestre Francisco que conduziria a cerimônia.

Frio, muito frio… e ainda antes dos primeiros raios do sol, fomos nos introduzindo ao local sagrado e recebemos de Mestre Franciso a essência perfumada de Verbena em nossas mãos, a qual passávamos no rosto em direção à cabeça. Em seguida, ganhamos uma flor e fomos nos posicionando em círculo. Depois, um a um, colocamos a flor em uma tigela de barro com areia e mel, fazendo uma formação mandálica de flores e uvas com a intenção de nossos desejos.

Depois fomos convidados a percorrer aleatoriamente o local de poder, e em seguida, cada um de nós ganhamos três folhas de coca, as quais recebíamos com as mãos unidas. Aliás, esse ritual de oferendas com a folha de coca é talvez o mais praticado. Lá a folha de coca é tida como sagrada, ela contém propriedades de toda essência energética divina da natureza.  E como se diz em várias camisetas: “La hoja de coca no es droga, es sagrada “.

Na verdade necessitamos ingerir o chá da folha de coca  várias vezes ao dia, logo que chegamos em Cuzco, e às vezes, necessitamos mascar a própria folha de coca em subidas muito fortes, para que não sintamos os efeitos da altitude, que podem ser de fortes dores de cabeça e enjôos. Se bem que a conselho do Ka, uma boa preparação energética de conexão anterior com o local, minimiza e neutraliza esse impacto. Particularmente, seguindo a orientação proposta pelo Allan e o Ka, eu pratiquei essa conexão anteriormente , unindo os chacras principais em conexão com o céu e terra, voltando-me para os 4 pontos cardeais, assim como se faziam os nativos do local. E de alguma forma ou outra, eu não senti o “mal da altitude”.   

Bem, após recebermos as folhas de coca nas mãos e colocarmos nossas intenções, percorremos aleatoriamente o local sagrado e depois fomos convidados a depositar nossas folhas nos locais com os quais mais nos identificávamos.

Ao percorrer todo o local, me senti atraída por um bosque próximo, onde acima , a lua cheia e a Estrela Vênus (a estrela do amor) ainda brilhavam. Porém era um local de difícil acesso.

Percorri o local e me senti atraída para uma entrada no meio de grande pedras. No interior dessa gruta me deparei com uma grande mesa de pedra como se fosse um altar. Ali parei e  me senti magnetizada por aquele local. Nesse momento ouvi passos vindo e pude perceber que era o Ka que também chegava ao local.

Diante de sua chegada, em respeito, abandonei o local, mas saí de lá sentindo algo incompleto na minha conexão. Do lado de fora subi outras pedras e encontrei um buraco no solo. Me agachei e ali soprei minhas intenções pra que elas fossem até o centro da Pachamama. Porém, só consegui lançar uma folha de coca. As outras não percorriam o caminho até ao fundo. Então entendi que deveria retornar ao local sagrado no centro da gruta pra depositar as outras. 

O local já  estava vazio e aí sim, diante da mesa sagrada, pedi amor, prosperidade e coragem,  vibrei na energia, e de joelhos, me ofertei como guardiã do mundo. Senti então que o contato energético tinha se completado. Fiz minhas reverências e deixei o local.

O dia começava a clarear e fomos todos nos posicionar para receber os primeiros raios de sol de Quenco.

Enquanto aguardava , em posição de cabeça baixa para que os primeiros raios de sol tocassem o chacra coronário, eu comecei a sentir minhas pernas e braços vibrarem de maneira muito forte. Imaginei que pudesse ser reação do frio, mas era muito forte para ser isso. Então me permiti vibrar na energia.

Passado esse momento, ficamos aguardando a formação da imagem do Puma na rocha; uma sombra projetada pela incidência dos primeiros raios solares.

O Puma é um dos animais da trilogia andina, juntamente com a Serpente e o Condor. O Puma é a representação da força, do trabalho. E ali naquele momento, a força do Puma era emanada.

Voltamos para o ônibus e partimos dali para um outro local sagrado, conduzindo a oferenda , que após ser passada de mão em mão, foi depositada em uma rocha, para que  nossos desejos expressos ficassem sob as bençãos da luz do sol  para a transformação de nossas vidas em todos os níveis.

Nesse mesmo dia partimos para Ollantaytambo, onde participamos de outras cerimônias que relatarei depois.

 

E como se diz em quechua: RAIRI (alegria) a todos!

 

Mirian – Achuncaray

 

  

                 

Curso de Mandalas – módulo 1 – novamente em julho de 2008

   Ser místico é ver a divina presença em todas as manifestações de vida e atos sagrados. E todo ato quando visa um bem é sagrado.

   Por isso, para quem acredita que a criação e a utilização de mandalas é um ato místico, pode-se afirmar que sim, pois, curas e harmonizações ocorrem em manifestação de amor na arte.

   Devido a procuras pelo Curso de Mandalas, haverá novamente o curso módulo 1, em Patrocínio, no mês de Julho. Maiores informações serão colocadas aqui posteriormente. Interessados já podem entrar em contato com Mariângela – (34) 3831-3231

   Acima coloquei algumas imagens do curso ocorrido no mês de junho. Um curso com resultados muito positivos, e desejo que todos os alunos se beneficiem o máximo! Agradeço aos que prestigiaram, agradeço a imprensa local, e o apoio de todos aqueles que de alguma forma colaboraram; em especial à Nadim Barrrijo (Secretário de Cultura de Patrocínio) e Mariângela Ferreira Ramos (Presidente da UNAPP).  

   

AMOR

 COM RELAÇÃO A DIA DOS NAMORADOS PRÓXIMO, E COMO ESTOU SEM MOTIVO E TEMPO PARA INSPIRAÇÃO PARA ESCREVER ALGO, ENTÃO COLOCAREI DOIS VÍDEOS.

UM MEIGO, SUAVE E COM UMA LINDA ORAÇÃO PARA QUEM QUEIRA  ATRAIR UM GRANDE AMOR;  E  OUTRO  MAIS “CALIENTE” PRA QUEM JÁ VIVENCIA UM AMOR-PAIXÃO  E QUE POSSA SE INSPIRAR.

 

 

Gatos são do bem ou do mal?

Respostas pra essa pergunta, eu busquei até na internet antes de decidir realmente acalentar e concretizar meu desejo de ter um “lindo gatinho” (de repente  me lembrei do Piu-Piu … rsrs).  E definitivamente não encontrei nada que realmente confirmasse a superstição que geralmente há contra os gatos.

 

 De onde será que vieram esses preconceitos? Pode até ser que “a lavagem cerebral” feita na população na época da Idade Média, em perseguição às ditas bruxas, tenha também refletido nesses bichinhos, considerados companheiros das bruxas solitárias. 

 

Realmente eles são ótimos companheiros, e muito mais que cachorro ou outro animal. E posso afirmar isso como alguém que já teve em casa três cachorros, duas tartarugas, coelhos, hamsters, periquitos, passarinho, calopsita, peixes … (e vários desses animaizinhos ao mesmo tempo – rsrs). Além do mais, gato é um animal super tranqüilo, higiênico e não dá muito trabalho, a não ser quando resolve passear pela vizinhança ou afiar suas unhas nos sofás ou colchões -rsrs.

 

Certa vez, me disseram também que gato se apega à casa e não aos donos. Mentira. Bem, pelo menos comigo não foi assim; pois mesmo mudando de casa, minha gata, que agora tem mais chances de fugas, sai por algumas horas, mas sempre regressa.

 

  Mas voltando ao assunto de gato ser bom ou não …

 

Há muitos anos eu já tinha ouvido falar que gatos gostam de dormir em locais negativos, compreendi isso melhor através da geobiologia, que comprova que gatos são animais que realmente gostam de dormir em pontos de energia não benéficos para o homem , diferentemente do cachorro.. E com base de que gatos gostam de ficar em pontos negativos, comecei a me encabular pelo fato de minha gata gostar muito do meu colo (rsrs). Principalmente quando eu estou sentada diante do computador. Pensei até que pudesse ser devido à irradiação negativa do computador. Mas fato interessante mostra que não é. Ela é capaz de me acompanhar até o chuveiro e ficar deitada me esperando sair do banho. E olha que gato não gosta de estar perto de água!  

 

 

Na verdade, eles são mesmo animais muito dóceis e gostam de carinho e afago, como todo ser vivente. Mas sinto-os como animais mais receptivos a isso.  

 

 

Às vezes o gato é também mal interpretado por suas garras e dentes afiados. Tudo bem, mas eles usam as patas e a boca pra brincarem e também pra se defenderem, e é só. É assim com todos nós, que de repente podemos nos tornar uma “fera”, caso isso seja preciso. rsrs

 

  Já me falaram também que os gatos tem capacidade de purificar um ambiente, transmutar energia de um lugar, e já ouvi dizer também que eles guardam o mundo espiritual, o mundo dos mortos, o que pode parecer algo não positivo.

 

 Se buscarmos, nós entenderemos que todas as crenças que as pessoas tem em relação aos gatos podem ser explicadas ao longo da história dos povos, em que esse animal se faz presente entre representações de seres divinos, de deuses.  Acessem o site que colocarei abaixo e vocês encontrarão muitas informações sobre isso.

 

Bem, mas mesmo com tantas histórias, e mesmo que eu ainda pegue em algo vermelho quando vejo um gato preto rsrs; mesmo assim, eu decidi ter minha linda gatinha siamês: a DOCYM . Que foi escolhida no meio da ninhada por ter o olhar mais doce e por ser a mais calma de todos. Escolhi também esse nome para ser sonoricamente bem sugestivo, mostrando que ela é DO SIM ( e não do não) ou um DOCINHO (docim como nós mineiros dizemos -rsrs).

Mas mesmo com esse nome, às vezes meu irmão ainda a chama de jilozim ou amargozim. Fico até pensando o por quê !? rsrs

 

 

  Ah…. isso tudo é só “intriga da oposição”! rsrs

 

 

O site sobre os gatos na história do mundo:

http://br.geocities.com/delbux_capis_online/pag6.html#top1